domingo, 27 de julho de 2014

VÍDEO: cachorro desmaia de emoção ao reencontrar dona

            Foto: Youtube / Reprodução

A garota retornou aos Estados Unidos após passar dois anos na Eslovênia
Um cãozinho da Pensilvânia, nos Estados Unidos, foi ao auge da emoção ao reencontrar sua dona. Rebecca Ehalt estava morando na Eslovênia havia dois anos e ao retornar para casa, o cachorro desmaiou de tanta felicidade. Ao postar o vídeo em sua conta no Youtube, a garota lembra que para um cachorro, o período equivale a 14 anos.
O animal foi levado ao veterinário, mas está tudo bem com ele.

                                          Veja o Vídeo Abaixo:


                                          Fonte:Rebecca Ehalt

domingo, 27 de outubro de 2013

Prefeitura de São Roque suspende alvará do Instituto Royal por 60 dias

Foto: Prefeitura de São Roque / Divulgação

Suspensão resultou de um acordo com o instituto para que sejam apuradas denúncias de maus tratos de animais
Um dia depois de ter vistoriado as instalações e considerado que estavam aptas a funcionar, o prefeito de São Roque, Daniel de Oliveira Costa (PMDB), suspendeu nesta sexta-feira (25), por 60 dias, o alvará de funcionamento do Instituto Royal. Segundo ele, a suspensão resultou de um acordo com o próprio instituto para que sejam apuradas denúncias de maus-tratos dos animais.

Instituto Royal, em São Roque (SP)

O prefeito recebeu deputados federais que integram uma comissão externa da Câmara criada para apurar os supostos maus-tratos aos cães. O instituto foi invadido na madrugada do último dia 18 por ativistas que retiraram 178 cães da raça beagle, usados em testes com medicamentos. As instalações foram depredadas.

Ativistas é que maltrataram animais, diz bióloga do Instituto Royal

Os parlamentares Iara Bernardi (PT-SP), Ricardo Tripoli (PSDB-SP), Ricardo Izar (PSD-SP) e Protógenes Queiroz (PC do B-SP) cobravam o imediato fechamento da unidade por entender que existem práticas de maus-tratos. O grupo se dirigia, no início da noite, ao instituto para vistoriar as instalações na companhia do deputado estadual Feliciano Filho (PEN) que também estava na cidade. O prefeito seguiu para o local para notificar os funcionários que lá estivessem sobre a paralisação das atividades. No dia anterior, ele dissera que as instalações eram adequadas para as pesquisas feitas pelo instituto e que não via razão para suspender o alvará.
Instituto Royal diz em vídeo que vai retomar testes com animais; assista
"Nós persistiremos pela fé que temos na relevância das pesquisas que fazemos", diz a gerente geral, Sílvia Ortiz
Em vídeo de quatro minutos divulgado nesta quarta-feira (23) a gerente geral do Instituto Royal em São Roque, Sílvia Ortiz, pediu apoio à sociedade para retomar as atividades. O instituto está sem funcionar desde sexta-feira (18), quando foi invadido e depredado por ativistas para a retirada de 178 cães da raça beagle usados em testes de medicamentos.

sábado, 26 de outubro de 2013

Câmara vai investigar denúncias de maus-tratos no Instituto Royal


A Câmara dos Deputados vai instalar, nesta terça-feira, uma comissão especial para investigar denúncias de maus-tratos contra animais no Instituto Royal, em São Roque, interior de São Paulo. Na última sexta-feira, o laboratório da empresa foi invadido por grupos de defensores dos animais, que libertaram 178 cães da raça beagle, além de outras cobaias científicas. As informações são da Agência Câmara.
O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) visitou o local e relatou o que viu ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que decidiu criar a comissão. "Eu fiquei chocado. Fezes de animais espalhadas, recipientes com água verde. Cheirava muito mal, ao ponto de eu até me sentir mal, dando conta de que aquilo estava muito longe de pesquisa científica", disse Protógenes.

O deputado afirmou que o laboratório recebe verbas do Ministério de Ciência e Tecnologia e que, por isso, a comissão vai apurar quanto a empresa recebeu, quais os resultados e benefícios dessas pesquisas e se houve maus-tratos a animais para sua realização.

Ativistas retiram animais de instituto
​Ativistas invadiram, por volta das 2h de 18 de outubro de 2013, a sede do Instituto Royal, em São Roque, no interior de São Paulo, para o resgate de cães da raça beagle que seriam usados em pesquisas científicas. Mais tarde, coelhos também foram retirados do local. Cerca de 150 pessoas participaram da invasão. Ao todo, 178 cães foram retirados do instituto. O centro de pesquisas era alvo de frequentes protestos de organizações pelos direitos dos animais.

Os beagles são usados por ter menos variações genéticas, o que torna os resultados dos testes mais exatos. Apesar de os ativistas relatarem diversas irregularidades, perícia feita no Instituto Royal não constatou indícios de maus-tratos aos animais. No dia seguinte à invasão, um novo protesto terminou em confronto entre policiais militares e manifestantes e provocou a interdição da rodovia Raposo Tavares. Quatro pessoas foram detidas.

Em nota, o Instituto Royal refutou as alegações dos manifestantes. "O instituto não maltrata e nunca maltratou animais, razão pela qual nega veementemente as infundadas e levianas acusações de maltrato a seus cães. Sobre esse ponto, o instituto lamenta que alguns de seus cães, furtados na madrugada da última sexta-feira, estejam sendo abandonados", diz a nota, acrescentando que todas as atividades desenvolvidas no local são acompanhadas por órgãos de fiscalização.

Segundo o instituto, a invasão de sua sede constituiu um "ato de grave violência, com sérios prejuízos para a sociedade brasileira, pois dificulta o desenvolvimento de pesquisa científica no ramo da saúde". A invasão ao local, de acordo com a posição do Royal, provocou a perda de pesquisas e de um patrimônio genético que levou mais de dez anos para ser reunido. O instituto também informou que os animais levados durante a invasão, quando recuperados, serão recolhidos e receberão o tratamento veterinário adequado, podendo ser colocados para adoção.

Marcelo Morales, coordenador do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) - órgão responsável pela fiscalização do setor -, afirmou que nenhum animal retirado do laboratório sofria maus-tratos ou tinha mutilações. De acordo com o médico, o instituto era acompanhado pelo Concea, ligado aos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Saúde, nos testes para medicamentos coadjuvantes na cura do câncer, além de antibióticos e fitoterápicos da flora brasileira, feitos a partir de moléculas descobertas por brasileiros. "Milhões de reais foram jogados no lixo e anos de pesquisas para o benefício dos brasileiros e dos animais também foram perdidos", disse o pesquisador.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Juiz afasta prefeito acusado de maus-tratos contra animais, diz MP

Cães teriam sido caçados a mando do prefeito em
Santa Cruz do Arari (Foto: Reprodução/TV Liberal)

Segundo MP, gestor foi afastado para não influenciar investigação.
Prefeito é acusado de ter mandado capturar cães no município.
O juiz da comarca de Soure, na ilha do Marajó, decidiu afastar por 90 dias o prefeito de Santa Cruz do Arari, Marcelo Pamplona (PT). Ele é acusado de maus tratos a animais por ter mandado capturar cães e cadelas do município. Os animais foram exilados em um local sem assistência. Segundo denúncias da população, alguns dos cachorros teriam sido mortos. A informação é do Ministério Público do Estado.
Segundo o MP, a medida cautelar foi baseada no inquérito civil instaurado pela promotoria. A alegação do Ministério Público é que o prefeito poderia utilizar seu poder político para influenciar a apuração do caso, dificultando a apuração dos fatos. Cabe recurso.
O G1 tenta contato com o prefeito, mas ainda não foi atendido.
Entenda o caso
A população de Santa Cruz do Arari, na Ilha do Marajó, denunciou no começo do mês de junho que a prefeitura estaria pagando pela caça de cães e cadelas, e os animais apreendidos seriam mortos. O prefeito reconhece que fez a captura dos cachorros, mas nega que tenha matado os animais: segundo ele, os bichos foram levados para a zona rual do município, já que estariam causando a proliferação de doenças na cidade.
A ação foi condenada por veterinários, que consideraram a medida exagerada e desnecessária para o controle de pragas. A sociedade civil se mostrou indignada diante da postura do prefeito, e iniciou uma série de manifestações nas redes sociais, além de um protesto em Belem que contou com a presença de atores da Rede Globo. 
Os cães que haviam sido enviados para a zona rural foram resgatados por uma Ong de defesa dos animais e trazidos para Belém.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Hoje 14 de Março se comemora o Dia Nacional dos Animais

Ana Souza
ana@riovalejornal.com.br

O Dia dos Animais é comemorado mundialmente no dia 4 de outubro, no Brasil a data é lembrada hoje, 14 de março. O principal objetivo deste dia é conscientizar sobre o respeito e carinho que devemos ter com os bichos de estimação, além da preservação das espécies. Não só hoje, mas sempre. Maltratar animal é crime! Isso inclui agredir, prender, trabalho forçado, abandono, falta de abrigo ou alimento.
O santo protetor dos animais é São Francisco de Assis e o dia 14 de março, além de lembrar dos bichinhos de estimação, também é alusivo aos animais selvagens. 

Devemos sempre lembrar que não basta só dar comida e água, é preciso oferecer os cuidados necessários para a saúde deles. O Brasil possui a segunda maior população de animais domésticos do mundo, além de uma fauna rica em vida silvestre.

Divulgação/RJ

  Todos os animais, sejam de estimação, ou selvagens são lembrados no dia de hoje




segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

10 de dezembro dia Internacional dos Direitos Animais


"Hoje o mundo comemora o Dia Internacional dos Direitos Animais, paralelamente ao Dia Internacional dos Direitos Humanos – o que faz que seja um dia pelos direitos de todos os animais. Será um dia de manifestações por todo o mundo, em países como Brasil, Reino Unido e França, com manifestações, vigília, panfletagem e demais ações de rua.

O 10 de dezembro começou a ser celebrado como um dia por direitos desde 1948, quando, nessa data, a Assembleia Geral das Nações Unidas ratificou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Desde 1998 o dia também tem sido dos animais não humanos, com ações de vigília em vários continentes do mundo.

A batalha nesse dia tem sido pelo reconhecimento da Declaração Universal dos Direitos Animais, em campanha encabeçada pela ONG Uncaged e assinada por inúmeras ONGs pequenas, médias ou grandes de países como Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, França, Alemanha, Hong Kong, Itália, México, Rùssia, África do Sul e Suíça.

A data de hoje não é de comemoração, mas sim de luta, para que a situação de escravidão a que os animais não humanos são diariamente submetidos seja combatida e abolida algum dia. Pecuária, pesca, vivissecção, rodeios, vaquejadas, touradas, “fur farms”, “fábricas de filhotes”, tração animal, são muitas as atividades que hoje escravizam e matam animais mas ainda são aceitos pela maioria das pessoas nas sociedades humanas ao redor do planeta.

Você também pode participar desse dia e fazer com que haja no mais breve possível o primeiro Dia Internacional dos Direitos Animais realmente comemorado e festejado. Torne-se vegano e junte-se a alguma entidade de ativismo abolicionista animal, lute pelos animais você também. Só assim os animais poderão “comemorar” esse dia, marcado pelo esforço humano em fazer que os direitos deles sejam enfim reconhecidos.

E, acima de tudo, juntemos a luta pelos Direitos Animais humanos e não humanos. Afinal, as mais variadas violações dos Direitos Humanos são influenciadas ou mesmo causadas por violações dos Direitos Animais, o que solidifica a convicção de que libertação animal também é libertação humana."

Fonte: http://www.anda.jor.br/10/12/2012/dia-internacional-dos-direitos-animais-um-dia-sem-comemoracao-mas-de-muita-luta

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Polícia investigará experiências com animais em escola de Canoas, RS

Aluna exibe pele de gato durante aula de biologia em escola de Canoas      
 (Foto: Reprodução/Facebook)

Fotos publicadas em uma rede social chocaram internautas e delegada. 
Nas imagens, alunos do Ensino Médio 'brincam' com partes de gatos mortos.
A Polícia Civil abriu inquérito para investigar denúncia de maus-tratos a animais durante aulas no Colégio Luterano Concórdia, em Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre. Fotos de uma suposta vivissecção (operação feita em animal vivo para estudo da fisiologia) de gatos publicadas no Facebook tiveram grande repercussão na internet e revoltaram entidades ligadas à proteção dos animais.
De acordo com a delegada Sabrina Deffente, da 3ª Delegacia de Polícia de Canoas, a investigação tem como objetivo apurar se houve maus-tratos aos animais e se a instituição tem licença para praticar esse tipo de experiência. Direção, professores e alunos devem ser chamados para prestar depoimento a partir de segunda-feira (22).
Nas imagens publicadas na rede social, estudantes do 3º ano do Ensino Médio aparecem segurando partes de gatos – como cabeças, patas e pele. Numa delas, uma aluna encara a cabeça de um gato. Há ainda fotos de gatos e aves com as vísceras expostas sobre as mesas do laboratório.
“As fotos são chocantes. O gato é um animal de estimação e ali haviam gatos abertos, com a cabeça cortada. Não sei a origem dos fatos e o objetivo das aulas. Por isso, determinei a abertura do inquérito para apurar”, declarou a delegada.
A denúncia partiu da mãe de uma aluna. Após ouvir o relato da filha sobre a aula, ocorrida na manhã de quinta-feira (18), ela viu as fotos no perfil do Facebook de outra estudante e decidiu registrar ocorrência na polícia no dia seguinte (19). Também entrou em contato com a presidente da Associação de Proteção aos Animais de Canoas (Aprocan), Eliane Tavares.
Revoltada, Eliane reproduziu as fotos na internet. Ela questiona a procedência dos animais e a forma como esse tipo de experiência foi conduzido na escola. Até as 19h30 deste domingo (21), as imagens já haviam sido compartilhadas por mais de 800 pessoas.
“Existe uma norma que regulamenta esse tipo de aula. Dentro dessas aulas, os animais usados para pesquisa precisam ser respeitados”, afirmou Eliane.
Em nota, o Colégio Lutarano Concórdia afirmou que experimento foi realizado com alunos do 3º ano do Ensino Médio, com idade superior a 16 anos, durante uma aula prática opcional de biologia. A instituição diz que foram usados animais mortos, vítimas de atropelamento, recolhidos na rua e armazenados em refrigeração.
“Dessa forma, (a escola) esclarece que não realiza experiências ou demonstrações com animais vivos em nenhuma de suas atividades, bem como não pratica vivissecção de animais, práticas essas contrárias aos valores morais e cristãos que são pilares da educação luterana”, diz trecho do texto.
O uso de animais para fins de ensino e pesquisa científica passou a ser permitido para instituições “de educação profissional técnica de nível médio da área biomédica” a partir da lei 11.794/2008, sancionada em outubro de 2008. Antes disso, esse tipo de procedimento era restritos aos estabelecimentos de Ensino Superior.



segunda-feira, 15 de outubro de 2012

MP pede condenação de município goiano por maus-tratos a animais

Imagens do local em março deste ano e do aparelho usado no sacrifício dos animais (Divulgação/MP-GO)
Em março deste ano, órgão constatou que cães viviam em más condições.

Diretor do Centro de Zoonoses de Itumbiara afirma que situação mudou.
O Ministério Público de Itumbiara, no sul de Goiás, por meio do promotor de Justiça Marcelo de Freitas, pediu a condenação do município por maus-tratos contra os animais do Centro de Controle de Zoonoses. A ação foi protocolada na última semana. A denúncia ocorreu em março deste ano, depois que um casal foi ao local adotar um cachorro e constatou a situação vivida pelos animais. Eles fizeram registro através de fotos, que vazaram na internet e causaram comoção na população. A assessoria de imprensa da prefeitura informou ao G1 que ainda não havia sido notificada até a noite de segunda-feira (8).
saiba mais
MP investiga morte de animais sadios em Centro de Zoonoses de Itumbiara
A ação civil pública proposta requer, em caráter liminar, que o município seja proibido de permitir a morte de animais abrigados no centro em casos que não estejam de acordo com as situações definidas pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária ou pelo Código Sanitário Municipal. Segundo apurado pela promotoria, os animais abrigados, além de não receberem água, comida e assistência médico-veterinária, eram sacrificados por meio de choque elétrico.
Na ação, protocolada em março, o promotor Marcelo de Freitas afirma que ficou constatado que a unidade abrigava cães desnutridos, doentes e que ficavam presos em celas sujas, sem água e comida. Segundo o promotor, os cães que morriam permaneciam nas celas por dias, até que fossem retirados por algum funcionário. Também foi apurado que os animais que resistiam à ausência de água e comida eram sacrificados, mesmo os sadios, mediante choques elétricos de 220 volts, sem qualquer tipo de insensibilização ou anestesia prévia, “em espetáculos de barbárie e covardia”, afirmou Marcelo de Freitas.

Após denúncias, animais contam com cuidados de
voluntários (Foto: Centro de Zoonoses de Itumbiara)
De acordo com o MP, os funcionários relataram, em depoimento, que um instrumento composto de tomada, fio condutor de energia, cano de PVC e borracha era usado no extermínio dos cães. Após molhar os cachorros que estavam presos nas celas, eles encaixavam a ponta do fio condutor na rede elétrica e encostavam a outra ponta do fio descascado nos animais, causando a morte.
A perícia realizada na época constatou ainda alguns dos animais sacrificados estavam mutilados e com sinais de desnutrição severa. Os corpos eram armazenados em um freezer que estava estragado e, por isso, acabavam se decompondo no local.
O levantamento feito pelo MP também apurou que a verba destinada à manutenção da unidade era insuficiente para seu adequado funcionamento. Com o pedido de condenação, o MP também a requisitou que o município adote a eutanásia de animais e forneça permanentemente alimentação, água, medicamentos e tratamento médico-veterinário aos animais apreendidos.
Outra realidade
Porém, segundo o atual diretor do Centro de Zoonoses, Celso Júnior, que assumiu a diretoria do centro em abril, logo após as denúncias de maus-tratos, a realidade dos animais hoje é outra.

De acordo com ele, o funcionamento da unidade está estabilizado e, desde que assumiu o comando, o número de eutanásia reduziu em 80%. “Hoje não fazemos eutanásia em animais sadios ou com doenças que não seja raiva ou leishmaniose. Além disso, só realizamos este procedimento com laudo veterinário”, afirma Celso.
Ele afirma também que atualmente o local é higienizado com frequência e que há ração estocada para garantir a alimentação dos animais. “Hoje, o centro é um abrigo totalmente diferente. Temos ajuda de amigos que fazem doações e a realidade é outra. Quando assumi, o objetivo era dar qualidade de vida melhor aos animais e hoje a gente consegue isso”, declara Celso.

Fonte: http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/mp-pede-condenacao-de-municipio-goiano-por-maus-tratos-animais.html?noAudience=true

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

4 DE OUTUBRO - DIA DOS ANIMAIS E DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS


ORAÇÃO DOS ANIMAIS 

Meu São Francisco de Assis 
Protetor dos animais 
Olhai por nós que rogamos 
Vossa bênção e muita paz. 

Olhai os abandonados 
Sofrendo agruras nas ruas 
E os que puxam carroças 
Açoitados nas ancas nuas. 

Pelos pobres passarinhos 
Que não podem mais voar 
Presos em rudes gaiolas 
Só porque sabem cantar. 

E as cobaias de laboratório 
Que sofrem dores atrozes 
Em experiências terríveis 
Que lhes impõem seus algozes. 

Pelos que são abatidos 
Em matadouros insanos 
Para servir de alimento 
Aos que se dizem humanos 

Olhai os que são perseguidos 
Sem piedade nas florestas 
Só por causa da ambição 
Dessas caçadas funestas. 

Pelos animais de circo 
Que não têm mais liberdade 
Presos em jaulas minúsculas 
À mercê de crueldade. 

Olhai os bois de rodeio 
E os sangrados nas touradas 
Barbárie e crimes impostos 
Por pessoas desalmadas. 

Pelos que têm de lutar 
Até a morte nas rinhas 
Quando o homem faz apostas 
Em transações tão mesquinhas. 

Olhai para os que são mortos 
Nos macabros rituais 
Em altares religiosos 
Que usam sangue de animais. 

Meu bondoso protetor 
Oro a vós por meus irmãos 
Para que sua dor e tristeza 
Não sejam sofrimentos vãos 

(Ivana Maria França de Negri)

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Homens são presos tentando embarcar com animais escondidos na cueca

 Dois homens dos Emirados Árabes foram detidos na Índia com lóris ocultados nas roupas de baixo 

Dois homens foram presos tentando embarcar em Nova Déli, na Índia, com pequenos animais primatas escondidos em suas cuecas. A informação foi divulgada pelas autoridades indianas na segunda-feira (10).
Eles estavam em trânsito de Bangkok para Dubai, com escala em Nova Déli, quando foram abordados pelas autoridades do aeroporto internacional Indira Gandhi. Em suas cuecas, eles traziam escondidos dois lóris, primatas de cerca de 25 cm de comprimento e olhos grandes, típicos da Índia e do Sri Lanka.
Um terceiro homem também foi preso. Os três homens tinha nacionalidade dos Emirados Árabes e estão sendo investigados na Índia.
Os animais foram detectados por um guarda que revistava os passageiros antes do voo. Ele percebeu que algo estava se movendo dentro da calça do passageiro.
Os animais foram entregues à entidade de proteção dos animais People for Animals. Eles estão sendo tratados em um hospital veterinário.
Fotos enviadas pelo hospital à BBC mostram os lóris dentro de uma caixa usada para transporte de animais forrada com jornais.
Os lóris são primatas carnívoros e noturnos e vivem em florestas tropicais do sudeste da Ásia. A espécie aprendida está ameaçada de extinção, segundo especialistas.
Em alguns lugares, eles se tornaram animais de estimação exóticos, apesar dos apelos de ambientalistas para que todos sejam recolocados em seus ambientes naturais.
O caso mais grave acontece na Indonésia, onde muitas pessoas adotam lóris como animais de estimação.
Para que o animal seja domesticado, os caçadores tiram seus dentes, já que ele solta substâncias tóxicas em sua mordida. Isso faz com que o lóris não possa voltar ao seu ambiente natural. 
Fonte: http://noticias.r7.com/internacional/noticias/homens-sao-presos-tentando-embarcar-com-animais-escondidos-na-cueca-20120911.html